Ano

Nome do evento

Pres. Comissão Organizadora

Cidade (Estado)

1981 1o Seminário de Catálise Nelson Mariano da Fonseca Rio de Janeiro  (RJ)
1983 2o Seminário de Catálise Aldo Manilio Paes Leme São Paulo  (SP)
1985 3o Seminário de Catálise Eduardo Falabella Souza-Aguiar Salvador (BA)
1987 4o Seminário Brasileiro de Catálise Arnaldo da Costa Faro Jr. Canela (RS)
1989 5o Seminário Brasileiro de Catálise Nilson Barrichelo Guarujá (SP)
1991 6o Seminário Brasileiro de Catálise Maria Isabel Pais Silva Salvador (BA)
1993 7o Seminário Brasileiro de Catálise Roberto Fernando de Souza Gramado (RS)
1995 8o Seminário Brasileiro de Catálise José Luiz Fontes Monteiro Nova Friburgo (RJ)
1997 9o Congresso Brasileiro de Catálise Dilson Cardoso Águas de Lindóia (SP)
1999 10o Congresso Brasileiro de Catálise Soraia Teixeira Brandão Salvador (BA)
2001 11o Congresso Brasileiro de Catálise Roberto Fernando de Souza Bento Gonçalves (RS)
2003 12o Congresso Brasileiro de Catálise Victor Teixeira da Silva Angra dos Reis (RJ)
2005 13o Congresso Brasileiro de Catálise José Maria C. Bueno Foz do Iguaçu (PR)
2007 14o Congresso Brasileiro de Catálise Luiz A. M. Pontes Porto de Galinhas (PE)
2009 15o Congresso Brasileiro de Catálise Fabio Barboza Passos Armação de Búzios (RJ)
2011 16o Congresso Brasileiro de Catálise Dalmo Mandelli Campos do Jordão (SP)
2013 17o Congresso Brasileiro de Catálise Roberto Fernando de Souza Gramado (RS)
2015 18º Congresso Brasileiro de Catálise Luiz A. M. Pontes Arraial D’Ajuda (BA)
2017 19º Congresso Brasileiro de Catálise Luiz Carlos Alves de Oliveira Ouro Preto (MG)
2019 20º Congresso Brasileiro de Catálise
Daniela Zanchet e Liane M. Rossi São Paulo (SP)

 

Capa dos Anais do Congresso Brasileiro de Catálise

t cbcat1b

 

  

t cbcat2b

  

t cbcat3b

  

t cbcat4b

  

t cbcat5b

Ano: 1981
1º Seminário de Catálise
Local: Rio de Janeiro, RJ 

 

Ano: 1983
2º Seminário de Catálise
Local: São Paulo, SP

 

Ano: 1985
3º Seminário de Catálise
Local: Salvador, BA

 

 Ano: 1987
4º Seminário de Catálise
Local: Canela, RS

 

 Ano: 1989
5ºSeminário de Catálise
Local: Guarujá, SP

t cbcat6b   t cbcat7b   t cbcat8b   t cbcat9b   t cbcat10b

 Ano: 1991
6º Seminário de Catálise
Local: Salvador, BA

 

 Ano: 1993
7º Seminário de Catálise
Local: Gramado, RS

 

 Ano: 1995
8º Seminário de Catálise
Local: Nova Friburgo, RJ

 

 Ano: 1997
9º Congresso Brasileiro de Catálise
Local: Águas de Lindóia, SP

 

 Ano: 1999
10º Congresso Brasileiro
de Catálise
Local: Salvador, BA

2001

 

2003

 

2005

 

2007 

 

2009

Ano: 2001
11º Congresso Brasileiro de Catálise e
1º Congresso de Catálise do Mercosul
Local: Bento Gonçalves, RS

 

Ano: 2003
12º Congresso Brasileiro de Catálise
Local: Angra dos Reis, RJ

 

Ano: 2005
13º Congresso Brasileiro de Catálise e
3º Congresso de Catálise do Mercosul
Local: Foz do Iguaçu

 

Ano: 2007
14º Congresso Brasileiro de Catálise
Local: Porto de Galinhas, PE



Ano: 2009
15º Congresso Brasileiro de Catálise
e 5º Congresso de Catálise do Mercosul
Local: Búzios, RJ

2011

 

2013

 

2015

 

 

 

 

Ano: 2011
16º Congresso Brasileiro de Catálise
Local: Campos do Jordão, SP

 

Ano: 2013
17º Congresso Brasileiro de Catálise e
7º Congresso de Catálise do Mercosul
Local: Gramado, RS

 

Ano: 2015
18º Congresso Brasileiro de Catálise
Local: Arraial D'Ajuda, BA

 

 

 

 

As primeiras atividades de pesquisa em catálise no Brasil ocorreram no início de 1970 por iniciativa de Remolo Ciola, (atuante na época no Instituto de Química da Universidade de São Paulo e na Petroquímica União), de Leonardo Nogueira (no Cenpes-Petrobrás, Centro de Pesquisas da Petrobrás) e posteriormente por Martin Schmal (no Programa de Engenharia Química da COPPE, Universidade Federal do Rio de Janeiro, PEQ/COPPE).

Do ponto de vista organizacional, a comunidade catalítica brasileira começou a estruturar-se durante os preparativos do "VI Simpósio Ibero-Americano de Catálise", realizado no Rio de Janeiro em 1978. O Simpósio foi organizado sob a presidência de Martin Schmal, com a colaboração dos pesquisadores Leonardo Nogueira, Roger Frety e Yiu Lau Lam, estes dois últimos pesquisadores vinculados na época ao Instituto Militar de Engenharia.

A repercussão deste "Simpósio" entre os catalíticos brasileiros incentivou os participantes a dar início à organização de um encontro similar, de caráter nacional. Assim,  em 1981 realizou-se o "1o Seminário de Catálise", realizado no Instituto Militar de Engenharia, no Rio de Janeiro. Nesse mesmo ano foi publicado o primeiro livro de catálise escrito por autor brasileiro (Remolo Ciola, "Fundamentos da   Catálise", Editora Moderna, S. Paulo, 1981).

O sucesso do "1o Seminário" mostrou a potencialidade da catálise no nosso país. Decidiu-se então pela sua continuidade e realização a cada dois anos, em locais onde haviam atividades industriais e de pesquisa na área, de forma que se permitisse a participação dos interessados das diversas regiões do país. Para a organização dessas e outras atividades em catálise, constituiu-se a Comissão de Catálise no Instituto Brasileiro de Petróleo (IBP)

O interesse pela catálise por parte dos pesquisadores brasileiros se viu reforçado a partir de 1982 com a criação do "Programa Nacional de Catálise" (Pronac), presidido por Martin Schmal e com a colaboração da equipe anteriormente citada. Durante os quatro programas Pronac, realizados em um período de oito anos, organizou-se a concessão da infra-estrutura mínima para os grupos acadêmicos atuantes em catálise com recursos financeiros da FINEP.

A partir de 1984 a comunidade brasileira ampliou sua organização com a criação das Grupos Regionais, hoje estruturadas em quatro regiões do país (Nordeste, Rio de Janeiro/Minas Gerais, São Paulo/Paraná e Regional Sul).

Do ponto de vista industrial, vários acontecimentos mostravam a importância da catalise no Brasil, tais como: a criação de grupos de pesquisa em catalise em várias empresas do Polo Petroquímico de Camaçari, a inauguração da Fabrica Carioca de Catalisadores no Rio de Janeiro, a ampliação da Divisão de Catálise do Cenpes/Petrobrás e, mais recentemente, a inauguração da Newtechnos Catalisadores Automotivos em Americana (SP).

A consolidação da comunidade catalítica levou os participantes do "8o Seminário Brasileiro de Catálise", realizado em 1995 em Nova Friburgo (RJ), a mudar a denominação dos encontros para "Congresso Brasileiro de Catálise".

O anseio de que a atuação em catálise no nosso país adquirisse uma forma jurídica, e que permitisse uma representação perante órgãos nacionais e internacionais, fez com que os participantes do "9o Congresso Brasileiro de Catálise", realizado em 1997 em Águas de Lindóia (SP) aprovassem os Estatutos e criassem a "Sociedade Brasileira de Catálise" (SBCat).

A primeira Diretoria da SBCat foi eleita em dezembro de 1998, tendo realizado sua primeira reunião formal em janeiro deste ano na sede do IBP na qual decidiu-se, entre outras, a criação desta página na Internet e a realização de um concurso para definição do logotipo da SBCat.

Em 1999 a SBCat filiou-se à FISOCAT e em 2000 teve sua admissão aprovada na International Association of Catalysis Societies. Em 2001, juntamente com o "11o Congresso Brasileiro de Catálise" foi realizado o "1o Congresso de Catálise do MercoSul".

Em 2003, a revista CatTech (Kluwer) publicou artigo elaborado pela Diretoria da SBCat, atualizando as informações sobre a catálise no Brasil:

Em 2004, publicou-se no México um livro sobre a história da catálise em Iberoamérica, no qual Martin Schmal apresentou trabalho sobre a história da catálise no Brasil, especialmente na área acadêmica.

Subcategorias

Topo